quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Carta para a ausência

Querida Ausência,

     Já observou que, quando os nossos desejos não se realizam, as frustrações são certas. E, se nossa expectativa está toda depositada em tais desejos, tudo fica ainda pior. Esperar por algo é bom e fica ainda melhor quando se concretiza. Caso contrario, não é bom. Vivo na espera de um dia poder te sufocar com presenças. Resolvi imitar o vento. Anseio pelo dia que encontrarei ao menos uma presença. Tantas palavras serão ditas e outras tantas silenciadas. Estou aprendendo a esperar. É tanto desejo guardado...
     Acredito que os mesmos ventos que levam embora, também trazem de volta. Apenas permito que o vento siga o seu curso. Espero. Entendo que nem tudo acontece como planejamos. Temos que ser flexíveis, só assim aproveitaremos o trajeto de forma mais tranquila e quando chegar ao final, teremos percebido tudo que compensou.
     Sabe ausência, às vezes penso em todas as estações da vida, em todo o caminho que percorri, em todos os medos. Penso nas pessoas que me sufocaram, naquelas que fazem falta e naquelas que não fazem falta alguma. Penso nas coisas miúdas e fantasiosas, nos outros e em mim. Engraçado como tudo isso vira ausência. Isso mesmo, todos nós, aos poucos vamos nos tornando ausência. Hoje lembro dos meus sonhos e vejo que a maioria já ficou para trás. Chegaram a esse ponto, justamente porque existiam expectativas demais. E quem espera demais, tem mais risco de se decepcionar. Devemos fundamentar nossos sonhos na realidade. Amar, já se tornou sinônimo de coragem. Aqueles que ainda se mantem presente em minha vida são corajosos. Insistem em me amar por coragem e ainda mantém um fio de esperança num amanhã onde eu estou incluído. Aqueles que preferiram a distância não souberam me aceitar como sou. Temos medo de acabar apenas com a nossa companhia. Embora que, seja isso que acaba acontecendo com todo mundo. Não adianta, podemos ter milhões de amigos hoje. Desses milhões, sobrarão poucos que serão presença e desses poucos, todos passarão. O tempo vai nos moldando.
     As pessoas não estão preparadas para nos corresponder. O mundo não está preparado para ser feliz. Temos uma facilidade maior em sermos tristes. Ser feliz, talvez implique em presenças. É difícil ser feliz na solidão. É possível, mas é mais difícil. Vamos criando reticências onde teríamos que colocar um ponto final. Penso muito nas minhas escolhas. Vejo o quanto delas eu tomei por mim mesmo, sem que houvesse intervenção alheia. Foram poucas. Quantas desculpas eu criei para divergir comigo mesmo, para silenciar minha dor. A verdade e o tempo são meus.
     Faz parte da coisa quando se faz parte da família. Se não faço mais parte da coisa é porque não faço mais parte da família. Corremos o risco do inesperado. Somos limitados. Fazemos parte de um jogo de interesses. Já não sei mais onde me sinto seguro. Inventei tanta coisa e proibi outras tantas. Carregava uma malinha cheia de expectativas e hoje já me desfiz dela. Hoje não falo mais de expectativas. Não espero nada de ninguém. Parei com aquele velho costume de inventar meios para manter presenças. Não aumento mais a bagagem da minha malinha de expectativas. Algumas 'peças' fundamentais da minha vida se tornaram 'cacos' que não se encaixam mais em nenhum quebra cabeça do presente. Deixei tudo para trás. Liberei um espaço grande na vida. Resolvi abrir mão de muita gente, e, sem pagar o mal com o mal, dou importância somente a quem demostra reciprocidade. Faço isso calmamente como tem que ser. Entendi que expectativas geram frustrações quando depositadas sobre ombros despreparados. Não é fácil construir vontades, justamente porque exige tempo e calma. Sabe ausência, sei que ainda tenho muito a oferecer. Sei que somente a minha presença não me basta. Mesmo sem expectativas, e com medo, ainda falo de amor. Com a leveza de uma agora vivido sem pressa nenhuma e com a certeza de que no fundo, só quero um lugar para voltar.

Teu amigo

Eli Negreiros