terça-feira, 19 de março de 2013

O texto que não escrevi

     Pensei em escrever um texto grande. Grande não, imenso. Muito maior que as trinta linhas das redações. Os verbos no passado deveriam sempre dá inicio aos parágrafos, que por sua vez, sempre começariam com aquela margem de um dedo. Letra caprichada, a melhor possível. Sabe aquela em que demoramos para desenhar as maiúsculas? Ela mesmo. O texto não se prenderia ao passado. Ele divagaria, em seus meandros, para o presente. E ainda sem rumo, acampava no futuro. Cada momento do texto seria minuciosamente descrito. As palavras desenhariam muitas coisas boas e bonitas. A intenção era juntar cada letrinha, e abusar de um certo narcisismo português. Iria caracterizar meu texto com o melhor da língua. Tinha que ser digno da Academia Brasileira de Letras. Quem o lesse, suspiraria de emoção. Me daria muito orgulho.
     Porém, ele não saiu. Não consegui pensar muito. Suspirava, mas por falta de inspiração. Um branco invadiu a minha mente. Sabe aquele branco da redação da escola ou do concurso? Ele mesmo. Agora só escrevia linhas longas, que dificultava a compreensão. Não dava vontade de ler, reler ou decorar. Antes, queria que o texto dissesse tudo, e agora ela não diz nada. Os instantes que pensei se tornaram incompreensíveis do começo ao fim. Tudo saiu da ordem lógica. Delonguei as palavras, perdi a objetividade dos verbos e a precisão dos tempos conjugáveis. Minhas idéias foram transcritas pra o mandarim. Lê-las e compreendê-las era impossível.
     Foi assim que aconteceu. Fiz um texto vazio, onde as palavras odiavam se unirem. Me trouxe mais dúvidas do que certezas. Um texto gélido. Nem razoável era. Não fez o coração bater mais forte, não causou calafrios ou arrepios. Sufocou ao invés de fazer suspirar. Me fez perder a sequência das letras. Perdi o fio da meada. Emudeci os sons. Escamei os olhos em lágimas não mais plausíveis, indignas e de fracasso. O texto não teve fim, por que não teve um começo. As linhas não se desenrolaram, não se encaixavam. Não especifiquei nada. Era um corpo desconjuntado e mau formado. Até esbocei um título. Também ficou péssimo. Tentei uma introdução ao tema e nada. Os meios eram injustificáveis. Os fins não se findavam ou se fundamentavam em algo. Quebrei muito a ponta do lápis, rasurei folhas e folhas. Horas e horas no vazio. Minha mente me deixou no vácuo. Rasguei todos os rascunhos, não passei nada a limpo. O texto não foi escrito, nem lido. Embora que a folha destinada a ele ainda está no meu caderno. Toda branca!

Eli Negreiros